A Esgrima como Esporte

 

        A Esgrima esportiva é a arte de servir-se da Espada, do Florete ou do Sabre para combater um adversário, tocando a sua superfície válida e somando os pontos necessários para se vencer o match. Oriunda de diferentes contextos ao longo da história, a Esgrima evoluiu e é hoje um esporte seguro e inovador, sem abandonar a tradição que constitui a sua essência.

 

  Cada uma das armas mencionadas possui sua própria dinâmica, embora compartilhem fundamentos. Descrita por muitos de seus estudiosos e praticantes como um “xadrez na velocidade da luz”, a modalidade exige uma combinação ágil e coordenada de movimentos das pernas e dos braços, oferecendo múltiplas estratégias e permitindo ao praticante desenvolver um estilo de jogo com vistas a um fim: a vitória com base nas regras e no respeito ao adversário.

 

  Na contemporaneidade, a Esgrima figura entre os esportes fundadores dos Jogos Olímpicos modernos, tendo sido praticada pelo próprio Barão Pierre de Coubertin, idealizador dos Jogos.

A Esgrima no Mundo

 

Dos primeiros Jogos Olímpicos, em Atenas (1896), até os dias atuais, a Esgrima, que se concentrava em países europeus, difundiu-se pelo mundo e diversificou-se.

Atualmente, 151 federações - dentre elas, a Confederação Brasileira de Esgrima (CBE) -

são responsáveis pelo desenvolvimento e prática da Esgrima, seguindo

os princípios olímpicos, regras e normas de segurança da Federação Internacional

de Esgrima (FIE), fundada em 1913.  

Foto: © Marie-Lan Nguyen / Wikimedia Commons

A Esgrima no Brasil

 

A Esgrima brasileira tem suas origens na técnica francesa, tendo sido implementada no início do século XX pelo Mestre D’Armas francês Lucien de Merignac, no Centro de Educação Física do Exército (Rio de Janeiro).¹

 

Apesar de ter sido introduzida no Brasil em instituições militares, o esporte é hoje praticado por crianças, adultos e idosos em diversas cidades de todas as regiões do país.

 

Os resultados inéditos obtidos pelo Brasil em torneios de abrangência internacional - campeonatos sulamericanos, panamericanos, mundiais e Jogos Olímpicos - têm despertado a atenção de crianças e jovens brasileiros para um esporte verdadeiramente singular, que está ao alcance de escolas, clubes e centros de treinamento esportivo no Brasil.

¹ CRAMER RIBEIRO JC, DIOGO CAMPOS FK. História da Esgrima, da criação à atualidade. Revista de Educação Física 2007;137:65-69.

www.brasilesgrima.com.br/nobrasil

Foto: Reprodução/EBC

Atleta: Amanda Netto Simeão - Rio 2016

A Esgrima em Brasília

 

Introduzida na capital federal no final dos anos 1980, a Esgrima brasiliense foi por muito tempo marcada por jovens talentosos e importantes resultados. A partir da década de 1990, alguns atletas brasilienses figuraram entre os primeiros colocados do ranking nacional na modalidade Espada, vindo a compor a equipe brasileira em diversas ocasiões, ao lado de gaúchos, paulistas, cariocas, mineiros e paranaenses.

Nestas ocasiões, atletas como Arnaldo Sisson, Mateus Didonet, Eduardo Fabbro, Carolina Catunda e, mais recentemente, André Rothfeld, Ivan Baumgartner, Cleia Guilhon e Rayssa Costa representaram Brasília, levando os olhos da plateia e o nome da cidade a várias posições de destaque em pódios sulamericanos, panamericanos e mundiais.

Perspectivas para o Futuro

 

Brasília tem se consolidado como o berço de diferentes esportes no Brasil. Por não contar com atividades hegemônicas, tais como o Futebol em outros estados, a cidade e seus habitantes são bastante receptivos à diversificação de novas modalidades.

 

Dado o atual contexto de expansão de novas práticas esportivas, de apoio ao esporte em razão dos megaeventos esportivos sediados pelo Brasil e do apelo da Esgrima para as crianças, este esporte reúne as condições propícias para o seu desenvolvimento na capital federal.

 

Para tanto, as Escolas, Clubes e Academias são parceiras Imprescindíveis nesta iniciativa, que conta com o apoio da

Confederação Brasileira de Esgrima e da Associação Brasileira de Esgrimistas.

Carta de Apoio - CBE

Carta de Apoio - ABE

Nesse contexto, dois atletas brasilienses  se uniram para desenvolver uma empresa, voltada  à prática da Esgrima